Como alcançar uma cultura de inovação
É fundamental estimular ambiente de trabalho e ajudar na mudança de postura e pensamento
12 Fevereiro 2019  |  10:12h
A - A +
Data:
Cidade:
Marcelo Lorencin
Autor: Marcelo Lorencin

Os recentes resultados positivos no setor de Tecnologia da Informação geraram boas expectativas para o futuro: hoje predomina um cenário onde executivos buscam cada vez mais manter a eficiência operacional das operações, tornando processos mais ágeis e eficientes e mantendo-se competitivos em seus mercados. No setor da saúde, prevalece a busca constante por padrões ainda mais elevados de qualidade, segurança, produtividade e inovação.

A inovação deve ser um assunto constante nas discussões do futuro do segmento da medicina diagnóstica e do crescimento no negócio de laboratórios clínicos. Uma visão mais ampla das possibilidades que a tecnologia permite se antecipar às necessidades do setor e estar preparado para as mudanças e oscilações de um mercado cada vez mais competitivo e dinâmico - seja por meio de cloud, interface, conectividade ou business intelligence, por exemplo.

É fundamental que as pessoas se mantenham atualizados e troque experiências sobre a evolução do setor de forma diversificada. O movimento de startups, por exemplo, permite ficar por dentro das tendências e buscarmos outras formas de anteciparmos necessidades do mercado, propondo, de fato, soluções inovadoras e em linha com o que se discute sobre tecnologia do futuro.

A inovação deve fazer parte da cultura que permeia a gestão dos negócios e, por essa razão, é uma semente a ser regada no dia a dia, estimulando o ambiente de trabalho e ajudando na mudança de postura e pensamento. E a partir de um olhar atento ao processo como um todo é possível atender ao nível de qualidade e produtividade que o mercado exige, entregando soluções sustentáveis, valores essenciais e resultados reais.

Conheça algumas das tendências de evolução da tecnologia, que são também um cenário já amplamente discutido no setor da medicina diagnóstica:

- amadurecimento do entendimento sobre Big Data e Analytics, onde gestores buscam extrair mais valor e aplicar de forma mais precisa na gestão as informações proporcionadas pela tecnologia;

- aceleração dos projetos de IoT, onde muitos projetos integrarão com outras tecnologias, como Inteligência Artificial e Blockchain;

- reformulação dos modelos de operação, automação e integração, suportados pela tecnologia da informação e plataformas únicas de gestão;

- otimismo quanto ao cenário da Segurança da Informação, com maiores investimentos em infraestrutura, software e serviços.

Marcelo Lorencin é presidente da Shift.
Fonte:
Tags:
Comentários

As opiniões expressas nos comentários são de única e exclusiva responsabilidade de seus autores e não expressam a opinião deste site. Comentários ofensivos ou que violem a legislação vigente serão suprimidos.


* seu e-mail não será publicado.

Enviar Comentário