Você sabe o que a classe C quer?
Ressaltar cultura do novo público em ascensão é estratégia para fidelizá-los
3 Novembro 2011  |  11:10h
A - A +
Data:
Cidade:
Mariana Loducca Kok
Hoje eles representam mais de 100 milhões de pessoas no Brasil. Se a nova classe C brasileira fosse um país ocuparia a 12ª posição no ranking mundial de população. "Percebemos que as pessoas desta classe têm um forte sentimento de dignidade e orgulho, que não era comum enxergar antes. Hoje eles sabem de seus direitos e deveres, e vão atrás do que acham justo", comenta a gerente de projetos da CO.R Inovação, Mariana Loducca Kok. A gerente ressalta a importância de parar de perceber a atual classe C como uma mesma massa, com o mesmo padrão de comportamento. 

"As marcas que reconhecem a história dessas pessoas e não as colocam em um patamar inferior, são as marcas que falam com este público", afirma Mariana. De acordo com ela, as empresas devem proporcionar facilidades para que a classe aproveite o que sempre sonhou: desde comer bem, até ter roupas da moda e ir ao cinema com mais frequência. "As classes mais altas servem como referência. Permitir que estas pessoas se satisfaçam com tudo o que desejam é a nova missão das marcas", revela.

Além disso, Mariana também indica que as marcas ressaltem o valor cultural da classe C para atrair este público. "A produção cultural e intelectual do nosso país não vem apenas da elite brasileira", diz. A gerente exemplifica com o fenômeno tecno-brega que interfere na vida cotidiana de todas as classes, não apenas da Classe C. 
Fonte:
Tags:
Comentários

As opiniões expressas nos comentários são de única e exclusiva responsabilidade de seus autores e não expressam a opinião deste site. Comentários ofensivos ou que violem a legislação vigente serão suprimidos.


* seu e-mail não será publicado.

Enviar Comentário